sábado, 7 de maio de 2011

ISTO FOI ESCRITO POR UM "BENFA"


Perder um jogo com o Sporting Clube de Braga não é uma humilhação, não. O que é humilhante, para mim e demais benfiquistas que se prezam, é levar um baile do Porto na Supertaça jogada em Agosto de 2010, com um frango daquele que é simultaneamente o pior e o mais caro guarda-redes que jogou em Portugal e cujo preço, dizem alguns, esconde uma negociata que muito prejudicou o Benfica mas beneficiou a empresa de construção do presidente do clube; são as três derrotas consecutivas com que o Benfica entrou na Liga e que o nosso treinador contava conquistar de caras; é o apelo que os dirigentes do Benfica fizeram aos adeptos para não irem aos jogos fora do Benfica, prejudicando jogadores e adeptos, e enfurecendo os clubes adversários que, não por acaso, mantêm relações próximas ou de simpatia com o nosso principal rival; é ser eliminado da Liga dos Campeões -- a mesma que o nosso actual treinador sabe que irá vencer -- na penúltima jornada e envergando uma camisola que celebra os cinquenta anos da primeira que o Benfica venceu, levando três secos de uma equipa chamada Hapoel e sendo repescado nos últimos minutos do último jogo por obra e graça de terceiros; é ser brindado com uma goleada nas Antas (cinco a zero) sem estar perto, sequer, de marcar um golo, e ouvir o estádio repleto de portistas cantar "a todos um bom Natal"; é saber que o clube gastou cento e tal milhões de euros para montar uma equipa que, contra os fracos, jogou muitíssimo bem durante a época passada e, depois da inarrável preparação de época imediatamente seguinte, assistir ao seu lento desmornamento e a uma desvalorização gravíssima dos principais jogadores; é saber que a SAD do Benfica decidiu, depois de vender os seus principais activos abaixo das cláusulas de rescisão, em desespero de causa e sem qualquer sucesso visível, tentar impingir 50 milhões de euros em papel comercial a um país em bancarrota; é saber que a equipa do próximo ano será maioritariamente constituída por jogadores contratados a custo zero e que o passe do Salvio, pelo qual o presidente do Benfica irá vergonhosamente e sem sucesso pedinchar ao Atlético de Madrid, clube no qual ainda hoje joga um jogador cujo passe é inutilmente detido por nós a 25%, só não acabará nas mãos do Porto se Pinto da Costa o não quiser; é perder a esperança de revalidar a Liga portuguesa após perder um jogo com o Braga, com um frango de Roberto e a expulsão de um jogador (Javi) que bem podia ter sido expulso nos dois jogos anteriores; é entregar o título ao Porto e a um treinador de 33 anos num jogo em casa, com um golo do Hulk, nova fífia de Roberto e um penalti inexistente a favor do Benfica, e que tudo isto aconteceu no único momento esta época em que nós, benfiquistas, nos podíamos arrogar de ter a melhor equipa em Portugal; é ter como um dos momentos mais altos da época uma vitória sobre o Marítimo, em casa, com um golo marcado no último minuto dos descontos; é ver o Porto festejar o título na Luz e que os dirigentes do Benfica, não contentes com o culminar de uma época enxovalhante, decidem apagar a luz do estádio e ligar o sistema de rega, oferecendo aos adversários um forte motivo para ridicularizarem o Benfica até ao fim dos tempos; é assistir à falta de brio de quem manda no clube e que acha normal, depois de perdido o título, baixar os braços, empatar com um Portimonense e um Olhanense, jogar miseravelmente com um Beira Mar e acabar a 21 pontos do campeão; é ver o Porto eliminar-nos da Taça de Portugal espetando-nos três golos na Luz e dando a volta a uma eliminatória que poucas equipas no mundo conseguiriam inverter, e nisto constatar que, nos dias que correm, ninguém no Benfica mostra ter alma para sequer lutar por algo semelhante; é ver o Porto golear os adversários fortíssimos que lhe aparecem pela frente com três jogadores que deveriam estar no Benfica (Álvaro Pereira, Falcão e James Rodriguez) e outro que por lá andou e não nos quis mais (Cristian Rodriguez); é saber que o Porto vai finalmente passar o Benfica em títulos e liderar o ranking por dois (com Taça, Supertaça e Liga Europa); é saber que o Porto dificilmente não termina esta época com o dobro dos títulos europeus do Benfica e que os respectivos dirigentes, não satisfeitos com isso, apostam em manter os principais jogadores de uma equipa que tem mais do que qualidade para ser campeã europeia; é saber que o Braga está dez lugares (33) acima do Benfica (44) no ranking da UEFA e que o Porto é, neste momento, o terceiro melhor clube do mundo; é, por fim, depois de tudo isto, sim, perder, e bem, no estádio do Braga e com o Sporting Clube de Braga, a possibilidade de ser goleado na final da Liga Europa pelo Porto, e acabar a noite a ouvir Pinto da Costa lamentar, com ironia, a eliminação do Benfica, e afirmar, carregado de razão, que o nosso clube seria o adversário mais fácil para o Porto. Nenhum adepto do Benfica deve o quer que seja aos dirigentes e treinadores que por lá andam e serão precisas décadas para esquecer a humilhação que esta época representa. O Benfica já não é grande.


Sem comentários: